#68

Venezuelana

Sentada na mesa, com o copo de refrigerante em suas pequenas mãos, ela parecia meio desanimada, talvez envergonhada ou arrependida de estar ali. Também pudera, da mesma forma que eu nunca havia levado uma desconhecida para o motel com tanta facilidade, creio que ela talvez nunca tivesse aceitado tão fácil o convite de um desconhecido para o sexo. Culpa do tesão, esse cretino, que surge de repente e sequestra o bom senso, transformando os apêndices sexuais em comandantes, ignorando qualquer regra ou lei que se oponha ao resultado esperado: o orgasmo.

Ela não queria conversar, também não queria ir embora. Me senti mal com aquela situação, mas desistir da morena e gastar as horas no motel vendo TV não era uma opção. Como diálogo não surtiu efeito, passei para o campo visual, primeiro excitando-me enquanto observava suas belas coxas bronzeadas e volumosas pouco ocultas pelo pequeno short jeans. Seus seios eram generosos e empinados, e estavam ocultos apenas pelo soutien, pois a blusinha havia ficado no carro. Seu rosto era típico do seu lugar de origem, Venezuela, e seus longos cabelos pretos lisos estavam presos de lado, de forma provocante, bem ao estilo das nenitas dos países hermanos.

Já plenamente excitado, livrei-me lentamente das roupas. Primeiro a camisa polo, revelando meu peitoral e barriga trabalhados exaustivamente com dieta, treino e depilação. Quando comecei a abrir o cinto, os olhos brilhantes da menina já estavam voltados para mim, e aproveitei para derrubar a calça jeans junto com a camisa branca, fazendo minha virilidade saltar em pleno vigor, arrancando um pequeno ruído de surpresa da moça.

Assim que me posicionei diante dela, exorcizei os demônios que lhe causavam medo ou arrependimento, e sua mão finalmente abandonou o copo de refrigerante para envolver, conforme foi possível, a circunferência da minha sexualidade. De um manuseio inábil ela logo migrou para uma felação de primeira, abrigando-me em sua língua e massageando minha envergadura peniana com lábios carnudos e suaves. Ela estava encantada com meu membro, e eu loucamente entorpecido pelos movimentos de sua boca. Enquanto me chupava, a nenita se livrava das roupas, primeiro o soutien, revelando seus deliciosos seios com mamilos de chocolate, em seguida o short e a calcinha minúscula, desnudando sua intimidade depilada e volumosa.

Coloquei a delícia deitada sobre a mesa, com a barriga para cima e as pernas abertas. Tímida, ela cobriu os seios e enrubesceu a face conforme eu elogiei sua beleza, e logo em seguida mergulhei nos recantos úmidos de seu jardim sexual. O néctar exalado pela menina dominava minha língua, misturando sabores e aromas intensos que faziam minha virilidade pulsar na mesma intensidade que eu desejava adentrar aquela moça. Seus movimentos, suas contrações, seus gemidos, tudo ocorria em plena harmonia, como uma orquestra sexual regida por minha língua em contato com o íntimo da morena.

Seu orgasmo foi incrível, o prazer mal conseguia conter-se no interior daquela pequena venezuelana de 1,60 m. Talvez em seus 19 anos de vida ela nunca tivesse passado por algo semelhante, pois sua expressão misturava êxtase pleno com reconhecimento pelo meu trabalho, e sua voz repetia meu nome como um mantra, intercalado por curtos gemidos apaixonantes.

Aproveitei a posição e adentrei o universo de calor e umidade da pequena, vendo meu instrumento desaparecer lentamente na morena, sendo deliciosamente deglutido por grandes lábios que faziam jus ao nome. As idas e vindas chegaram para ficar, e logo cresceram em intensidade, aumentando também a reação oral da menina à minha invasão voraz. Segurando em suas coxas, eu lhe copulava com força, e meu instrumento rompia a resistência da morena apertada de forma espetacular.

Passamos para o segundo ato quando ela pediu para trocar de posição, apoiando os joelhos na cadeira, os cotovelos na mesa e empinando suas belas nádegas redondas na minha direção. Segurei em seu quadril e voltei a estocar meu mastro na intimidade da morena, fazendo sua carne estremecer com os golpes vorazes de meu corpo, e extraindo da delícia gemidos cada vez mais elevados e intensos. Logo em seguida ficamos em pé, ela com as mãos espalmadas na parede e empinada na minha direção, eu segurando em seus cabelos e empurrando minha virilidade para o interior de seu belo corpo moreno.

Emergi daquele lago de prazer no momento exato, despejando assim meus gametas na base das costas da menina. Estes, por sua vez, escorreram majestosamente para dentro do vale formado pela união dos dois montes glúteos, provocando um sorriso na menina, que fitou-me em silêncio, mas o brilho em seus olhos dizia o quão deliciada ela estava com o resultado da nossa transa.

OBS: Conteúdo fictício. Qualquer nome, local ou situação presente neste texto não possui qualquer relação com a realidade. Em caso de dúvida, leia nossa Política de Responsabilidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s